Busca
 
Dra Sylvia Faria Marzano
Fone:
(11) 4221-5236
 
Parcerias:
 
Hidronefrose Neonatal

HIDRONEFROSE NEONATAL

Os rins, localizados atrás do abdome, logo abaixo das costelas, são importantes para muitas funções do nosso corpo. Uma das mais importantes funções dos rins é filtrar o sangue e remover do organismo os produtos de excreção que são retirados do organismo pela urina. Os rins são conectados por finos tubos chamados ureteres, por onde a urina desce até a bexiga e aí fica estocada. Como os rins são formados intra-útero, pode haver uma alteração do desenvolvimento mudando a forma ou a função de um ou de ambos os rins.

O tipo mais freqüente dessa malformação é a Hidronefrose

A hidronefrose é uma dilatação interna do rim ou de seu sistema coletor. É freqüentemente resultado de uma obstrução na junção da pelve renal (saída do rim) com o ureter que dificulta a drenagem da urina para a bexiga, que se acumula no rim causando a sua dilatação. A hidronefrose pode também ser devida ao retorno anormal da urina da bexiga para o rim ou refluxo vésico-ureteral.

A Hidronefrose Neonatal é freqüentemente detectada na ultrassonografia intra-útero (durante a gestação). Não há relação dessa anomalia com algo que os pais tenham feito durante a gestação e geralmente não é transmitido de pai para filho ou entre irmãos. O bloqueio que produz hidronefrose é freqüentemente resultado de um estreitamento no início do ureter perto do rim, que provavelmente ocorre antes dos quatro meses de gestação.

A gravidade da hidronefrose depende da extensão do bloqueio e da conseqüente distensão do rim. Pode ser classificada de leve a grave. As crianças com hidronefrose leve, freqüentemente não apresentam sintomas, os rins são pouco afetados e a hidronefrose pode desaparecer no primeiro ano de vida.
Nos pacientes com hidronefrose moderada a função renal não diminui, o crescimento renal permanece normal e o grau de hidronefrose não piora. Os estudos demonstram, com a observação cuidadosa durante o primeiro e segundo anos de vida, que o rim se compensa com a hidronefrose para manter a função normal, e que, muitas crianças até melhoram por si mesmas.

Em casos extremamente graves de hidronefrose pode ocorrer dano à função renal e essa condição causar infecções, dor e hematúria. Esses efeitos podem levar meses ou anos para ocorrerem ou não.


Para determinar o grau de hidronefrose presente, são realizados exames radiológicos e radioisotópicos (Medicina Nuclear) que podem medir a função renal e determinar se já existem cicatrizes renais devido às infecções sofridas pela criança.

As crianças com hidronefrose leve devem ser submetidas a tratamento clínico com observação. Nos casos de hidronefrose moderada e grave ainda não há um consenso de quando, mas devem ser submetidas a cirurgia se houver agravamento do quadro obstrutivo.

A cirurgia para correção dessa malformação é chamada de pieloplastia. Consiste da retirada do segmento obstruído na saída do rim (pelve) e do conduto que leva a urina para a bexiga (ureter), para uma plástica para que a urina escoe facilmente do rim e não ocorra mais obstrução. A criança permanece no hospital por 48 horas e volta para casa com um dreno perto do local da incisão cirúrgica. O sucesso da cirurgia chega a 95% , desde que a função renal já não esteja muito prejudicada.

Desde 1985, o ultrassom pré-natal está sendo o responsável pelos diagnósticos precoces de hidronefrose na criança, fazendo com que possamos estar atentos no acompanhamento clínico dessa criança logo após o nascimento. No passado só se diagnosticava hidronefrose quando a criança já apresentava algumas infecções urinárias, ou então muito mais tarde ao se palpar uma massa abdominal.

Esse critério de ultrassonografia pré-natal deveria ser indiscutivelmente uma rotina em todos os Centros Obstétricos, embora ainda não exista um tratamento comum a todas essas crianças.

Obs: As informações aqui encontradas não pretendem conduzir o acompanhamento de pacientes com Hidronefrose Intra-útero. O intuito desse texto é só de uma orientação aos pais e parentes de bebes com essa patologia. É importante que os pais procurem um Urologista Pediátrico, pois só esse especialista poderá dar a conduta e acompanhar corretamente essa criança.

INSTITUTO ISEXP: Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática

Rua Rio Grande do Sul, 1010 apto 122 12 andar - São Caetano do Sul - SP
CEP: 09510-021 - Fone: (11) 4221-5236

46873 acessos desde 1 de setembro de 2003.