Busca
 
Dra Sylvia Faria Marzano
Fone:
(11) 4221-5236
 
Parcerias:
 
Câncer de Prostata

Câncer De Próstata

A próstata é uma glândula, do tamanho de uma amêndoa, pesando cerca de 20 gramas que situa-se na base da bexiga e circunda a uretra. Sua função é produzir uma parte do sêmen.
Os problemas da próstata são muito comuns e atingem desde o homem jovem até o mais idoso, predominando a partir dos 45 anos .
O Urologista é o médico indicado para diagnosticar e resolver tais problemas e a maioria destes pode ser tratada sem afetar as funções sexuais.

DOENÇAS: Para fins didáticos, dividiremos as doenças da próstata em benignas e malignas.

1. DOENÇAS BENIGNAS

PROSTATITE AGUDA: É uma infecção bacteriana da próstata que ocorre em qualquer idade. Febre, calafrios, dor perineal, dificuldade e ardência para urinar são os principais sintomas. O tratamento é feito com antibióticos específicos e a cura é quase sempre obtida.
PROSTATITE CRÔNICA:É uma infecção bacteriana recidivante, ou seja, vai e volta.
Os sintomas são semelhantes aos da prostatite aguda, porém, sem febre, em menor escala e de duração bem mais prolongada.

HIPERTROFIA BENIGNA DA PRÓSTATA (HBP):

É o aumento do volume (tamanho) da próstata, ou seja, crescimento benigno. As causas ainda são indeterminadas. Ocorre dos 40 anos em diante;é mais comum a partir dos 50 anos;Atinge 50% dos homens aos 60 anos;Acomete 90% dos homens entre 70 e 80 anos .SINTOMAS:O crescimento da próstata comprime a uretra (canal da urina) determinando uma série de sintomas urinários. Os mais comuns são: Levantar-se várias vezes à noite para urinar;Ardência para urinar; Diminuição da força e calibre do jato urinário;Sensação de não ter esvaziado completamente a bexiga após urinar;Urinar em dois tempos;Desejo imperioso de urinar;Aumento do número de micções;Urina sanguinolenta;Gotejamento acentuado no final da micção;Diminuição do volume do ejaculado;Incapacidade de urinar espontaneamente (retenção urinária).

DIAGNÓSTICO:

O diagnóstico baseia-se nos sintomas, em:Exames de laboratório (urina, PSA, etc);Toque retal;Ultra-sonografia da próstata;Endoscopia Urinária: Um exame no qual o Urologista introduz na uretra do paciente, um tubo longo e fino, com iluminação própria, que lhe permite "enxergar" por dentro, a uretra, a bexiga e a próstata, identificando qualquer condição anormal que possa existir em tais órgãos;Endoscopia Urodinâmica: Exame no qual o Urologista introduz pequenas sondas (tubos de borracha) no reto e na uretra do paciente, que funcionam como "sensores", ligadas a um equipamento computadorizado que avalia o estado de funcionamento do sistema urinário inferior
É importante frisar que os tratamentos cirúrgicos da HBP, dificilmente levam à impotência sexual, ao contrário da cirurgia radical utilizada para o tratamento do câncer da próstata, onde cerca de 20% dos pacientes podem ficar impotentes.

 

2. DOENÇAS MALIGNAS (CÂNCER)

Como os demais órgãos, a próstata pode ser acometida por tumores malignos primários e secundários, de vários tipos e linhagens. Porém, o tumor maligno de importância clínica por sua freqüência ( 95 %), é o "Adenocarcinoma da Próstata".

ADENOCARCINOMA DA PRÓSTATA (HBP) :

Mais conhecido apenas por "câncer da próstata", é um dos cânceres mais comuns do sexo masculino. ESTATÍSTICAS:Aparece dos 40 anos em diante;Mais freqüente a partir dos 65 anos;Mais comum na raça negra ;Mais comum nos pacientes com história familiar de câncer.Outro fator de risco é a alta ingestão de alimentos com alto teor de gordura animal.
Nos estágios iniciais, limita-se à próstata. Se deixado sem tratamento, poderá invadir órgãos próximos como vesículas seminais, uretra e bexiga, bem como espalhar-se para órgãos distantes como ossos, fígado e pulmões, quando torna-se incurável e de nefastas conseqüências.

DIAGNÓSTICO:

A grande dificuldade de diagnóstico precoce do câncer de próstata ocorre porque o homem evita a consulta com o urologista pelo mito do toque retal e também porque não tem sintomas. Em cada homem ocorre um tempo variável para o aparecimento dos sintomas e como o câncer geralmente se inicia na periferia da próstata, pode não provocar nenhuma mudança no ritmo urinário, não levando o paciente ao médico.
Pode aparecer alguns sintomas urinários, que são iguais aos apresentados pelos portadores de hipertrofia benigna da próstata ;pelo toque retal ;pelo exame de sangue específico chamado PSA;e pela ultra-sonografia da próstata trans-retal que dirige a localização das biópsias prostáticas a serem realizadas para confirmar o diagnóstico.O mapeamento ósseo é outro exame que determina se já existe a disseminação da doença maligna para outras partes do corpo(metástases), o que é importante para a escolha do tratamento.É importante salientar o fator genético como um fator de risco.
Atualmente a urologia lança mão da biologia molecular que através de marcadores tumorais podem sugerir o diagnóstico do câncer mesmo antes das suas manifestações clínicas.

TRATAMENTO:

O tratamento depende de cada caso e se o tumor está confinado à próstata ou se já espalhou-se para outros órgãos. As opções de tratamento são:

1. CIRURGIA RADICAL: Indicada apenas se o paciente é jovem, tem boa expectativa de vida e com tumor em estágio inicial. Estritamente limitado à próstata. É uma cirurgia de grande porte, onde a próstata e as vesículas seminais são retiradas em bloco. É o único tratamento que garante a cura completa.Tem como desvantagem, a possibilidade de em alguns casos (10%), deixar o paciente impotente ou incontinente (perda involuntária de urina). Mesmo assim, há possibilidade de se corrigir tais complicações.

2. RADIOTERAPIA: Onde aparelhos emitem grandes doses de energia radioativa que é direcionada aos órgãos doentes, no intuito de fazer "murchar" as células cancerosas. A impotência sexual também poderá ocorrer após radioterapia.

3. HORMONIOTERAPIA: indicada para os casos em que o câncer já se espalhou para outros órgãos, nos estágios avançados da doença, onde não há possibilidade de cura completa. São usados vários medicamentos à base de hormônios, no intuito de deter o crescimento do tumor.
A castração, retirada cirúrgica dos testículos, também é empregada como hormonioterapia, já que elimina os órgãos que produzem o hormônio masculino, responsável pelo crescimento do tumor.


PREVENÇÃO DO CÂNCER DA PRÓSTATA:
Só existe um modo seguro de se curar o câncer da próstata: descobrindo-o precocemente, ou seja, submetendo-se ao exame preventivo.
O exame preventivo deve ser realizado por urologista, anualmente, a partir dos 45 anos. Dessa forma, consegue-se detectar tanto a hipertrofia benigna da próstata quanto o câncer em fase inicial e ainda curável.
Mesmo os pacientes operados da próstata por tumor não maligno, devem submeter-se ao preventivo, pois, as
cirurgias para o tratamento das doenças benignas da próstata, não a retiram por completo, deixando intacta sua cápsula, a partir de onde o câncer pode desenvolver-se.

Não se deve esperar pelo aparecimento dos sintomas para recorrer ao exame preventivo. Seguramente, quando os sintomas começarem a se manifestar, a doença já existirá há algum tempo e poderá estar espalhada pelo corpo.
Homens com história familiar de câncer de próstata ( principalmente os de primeiro grau -pais e irmãos) devem fazer os exames preventivos de 6 em 6 meses após os 40 anos de idade.

O exame preventivo é extremamente simples: CONSULTA: onde o Urologista fará perguntas gerais e específicas sobre o sistema urinário e genital;EXAME DE SANGUE: solicitado pelo urologista, o PSA, é extremamente útil para monitorar o aparecimento do câncer, visto que sua concentração no sangue quase sempre mantém-se em níveis normais no tumor benigno da próstata e aumenta consideravelmente nos casos de câncer; TOQUE RETAL: um exame clínico feito pelo Urologista. O toque retal é realizado pela introdução do dedo indicador do médico, lubrificado e enluvado, no ânus do paciente. Dura de 5 a 30 segundos, é relativamente indolor e presta ao médico informações como:Estado do esfíncter anal (músculo que segura as fezes);Estado das fezes dentro do reto;Presença ou não de tumores do reto, alcançáveis pelo dedo do médico;Presença ou não de dor na próstata, vesículas seminais e reto, que pode indicar presença de inflamações;Avaliação do tamanho e da mobilidade da próstata; Avaliação da presença de nódulos suspeitos de câncer da próstata ;Avaliação da consistência da próstata. Se mole, dura ou elástica;Avaliação dos bordos, limites e simetria da mesma.

O MITO DO TOQUE RETAL: Um exame muito temido pelos pacientes e ao contrário do que se pensa, o toque retal não é um exame "antigo" ou "superado";Não compromete a masculinidade nem é indigno;Nenhum outro exame dá as informações do toque retal;Jamais deverá ser trocado por qualquer outro exame tipo ultra-sonografia ou radiografia, que não o substituem, mas complementam-no sempre.SABE-SE QUE 20% DOS EXAMES PSA, QUE DIAGNOSTICAM O CÂNCER DE PRÓSTATA, PODEM ESTAR NORMAIS E PELO TOQUE O MÉDICO DESCONFIAR DA PRESENÇA DO TUMOR MALÍGNO.

CONCLUSÃO: Concluído o exame preventivo, se nada de anormal for encontrado, o paciente é orientado para retornar após um ano.Caso haja alguma suspeita de câncer da próstata ou HBP importante, o Urologista tomará providências para esclarecer o caso, aprofundando a investigação através da realização de outros exames.Portanto toda esposa e filhos devem incentivar seus pais,tios e avôs a procurar um urologista para a sua prevenção anual.Devem acompanhá-lo e salientar que não é um exame simples de toque retal que devem afugentá-los do médico.Saliente que o diagnóstico precoce da doença pode salvar a sua vida e evitar muito sofrimento com a dor provocada pela mesma quando avançada e pela possível perda de um ente tão querido.

INSTITUTO ISEXP: Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática

Rua Rio Grande do Sul, 1010 apto 122 12 andar - São Caetano do Sul - SP
CEP: 09510-021 - Fone: (11) 4221-5236

200577 acessos desde 1 de setembro de 2003.