Blog‎ > ‎

Tudo que nos excita

postado em 27 de nov de 2018 03:43 por Daniel Antunes Paiva   [ 3 de dez de 2018 04:40 atualizado‎(s)‎ ]

Você deve saber que o melhor afrodisíaco para o homem é a mulher e o oposto também é verdade. No entanto devemos estar atentos a muitos outros fatores:

Estímulos e atração sexual

“Não sei por que, mas gosto”. Esta expressão, muito utilizada, contém tudo o que muitas pessoas sabem sobre seus próprios gostos sexuais. Quer dizer, nada ou quase nada. Sim, é certo que existe uma série de fatores aos quais sempre recorremos quando queremos explicar por que alguém nos atrai, mas, dificilmente conhecemos a base desta atração.

Por sorte para nós, não temos consciência deste complexo processo, pois seria verdadeiramente maçante. Mas, devemos isolar e estudar todos os aspectos humanos para ver como afetam as preferências de cada indivíduo.

Diferenciamos basicamente dois tipos de estímulos desencadeadores ou favorecedores do processo de atração sexual: os estímulos internos, provenientes do próprio organismo do indivíduo e os estímulos externos, precedentes do meio que o rodeia e que ele capta através de seus sentidos.

Poderíamos definir o desejo ou libido como a atividade humana que nos impulsiona na busca de situações sexuais. Esta espécie de ímã depende dos centros cerebrais e é influenciada, portanto, pela variação do nível hormonal e pela complexidade dos circuitos do cérebro.

Nariz e sexo

O cheiro é um dos mais poderosos estímulos sexuais. Como fator de atração e estimulação do comportamento sexual, encontra-se presente em numerosas espécies animais. As substâncias sexuais odoríferas, denominadas feromônias (não tem nada a ver com hormônios), são secretadas pelas fêmeas e captadas pelos machos da mesma espécie.

E no homem? Sabemos que a fêmea humana também segrega substâncias semelhantes às feromônias e que estas substâncias experimentam variações cíclicas de acordo com o ciclo menstrual. Em todo caso, discute-se até que ponto os machos humanos são capazes de detectá-las.

Como norma geral, considera-se atraente o cheiro a limpo, embora haja pessoas para as quais isto não é suficiente e preferem camuflar os odores naturais com perfumes e desodorantes, sem que saibamos se os perfumes possuem realmente o poder de atração a eles atribuídos.

Beijos e sussurros

Beijar-se é uma demonstração de carinho quase universal. Em alguns casos é simplesmente um cumprimento, algo impessoal; em outros, uma expressão de respeito ou de amor e, em muitas ocasiões, é um ato erótico que expressa e alimenta o desejo. O importante é abandonar-se a suas doçuras e ao prazer que proporciona tanto o dar como o receber.

No homem, a aparição da linguagem representa um passo muito mais avançado como meio de solicitação sexual. Em praticamente todas as sociedades humanas, o uso de frases e canções amorosas constitui uma das preliminares mais habituais. Libertado o cérebro da carga social, uma frase erótica, sussurrada ao ouvido, pode resultar tão incitadora quanto um bramido de elefante na imensidão da selva.

Tato: a pele com a qual amamos

A superfície do corpo humano, com aproximadamente dois metros quadrados de extensão é, poderíamos dizer, o maior órgão sexual do homem. Acariciar o corpo ou, particularmente, os genitais do outro, é uma forma muito difundida de comportamento que um dos passos preliminares nas relações sexuais.

No homem, a necessidade de contato corporal vem moldada pelos ensinamentos sociais que, em geral, opõem-se a este contato, a não ser que pretenda uma aproximação sexual.

Encontramos homens com problemas sexuais que não beijam, não abraçam e nem acariciam sua parceira. Para quê?, pensam eles. Este modelo de comportamento impede que muitos casais desfrutem do prazer que pode proporcionar o simples fato de dar e receber carícias. É conveniente, portanto, esquecer os genitais e conseguir que toda a pele se converta em um órgão de comunicação sexual.

As zonas erógenas

São chamadas de zonas erógenas aquelas partes do corpo cujo estímulo resulta particularmente excitante. Os pontos mais sensíveis para a maioria das pessoas são: lóbulos das orelhas, lábios, mamas, ventre, clitóris, canal vaginal, face lateral do tronco e face interna do braço, glande (cabeça) do pênis, entre outros. Além destes, a nuca, os ombros e a zona anal são fontes importantes de excitação sexual. O grau de variação de uma pessoa para outra é importante, razão pela qual é aconselhável que cada par descubra as suas zonas erógenas particulares.

Ver para sentir

A visão é, provavelmente, a fonte de estimulação sexual mais importante que existe.

No homem, existem numerosos estímulos visuais envolvidos na atração sexual, que vão muito além da visão dos genitais do sexo oposto. A forma de mover-se, um olhar, um gesto, inclusive a forma de vestir-se, são estímulos que, enquanto potencializam a capacidade de imaginação do ser humano, podem resultar mais atraentes que a contemplação pura e simples dos genitais nus.

Fatores de Atração

Nas sociedades humanas, o aspecto físico desempenha um papel muito importante na atração sexual. Uma característica comum a todas as culturas estudadas é o fato de que a atração sexual está baseada, pelo menos em grande parte, nas características corporais externas. O que varia consideravelmente de uma sociedade para outra é qual ou quais destas características são consideradas atraentes.

Boca, nádegas e todo o resto

Em quase todas as sociedades, incluindo a nossa, existem padrões de beleza muito estritos em relação a sexualidade, que variam de pessoa a pessoa.

A boca é, ao lado dos genitais, uma zona erógena de primeira grandeza, que possui uma especial sensibilidade erótica.

A acumulação de gorduras nas nádegas da mulher e o fato de que elas sejam mais pronunciadas que no homem é um traço especificamente humano. A atração que as nádegas femininas despertam no homem é tão inegável que se chegou a estabelecer uma divisão entre os homens que se sentem atraídos pelos seios e os que preferem as nádegas. Por outro lado, para ambos os sexos, resulta agradável ser acariciado nesta parte do corpo.

Os seios são outro fator chave de atração sexual. Embora em algumas culturas não sejam considerados como agentes eróticos.

Embora não se encontre habitualmente tão visível, a vulva constitui uma zona erógena de primeira grandeza, uma região do corpo especialmente envolvida no comportamento sexual.

Uma questão de tamanho?

Em numerosas sociedades existem critérios estéticos para os genitais masculinos e, concretamente, para o tamanho do pênis. Em geral, um pênis de grande tamanho é objeto de admiração. Nossa sociedade não escapa a esta norma que se converteu em um mito gerador de angústia para muito homens, e que se reflete nas inúmeras consultas a sexólogos provocadas por este tema, apesar de todos os estudos demonstrarem que as mulheres não se preocupam demasiado com o tamanho do pênis do parceiro. Foi dito em numerosas ocasiões, que a vagina se adapta a qualquer pênis, por menor que seja; que o fato de a vagina ser mais sensível na entrada do que na profundidade torna desnecessário um excessivo comprimento; que os pênis pequenos aumentam mais o seu tamanho durante a ereção do que os pênis maiores, razão pela qual as comparações do pênis em estado flácido não indicam o tamanho que atingirá na ereção; enfim, uma maioria de mulheres aprecia mais a qualidade do que a quantidade e mais quem está por trás do pênis do que o seu tamanho em si.

Todos os mecanismos que despertam os estímulos sexuais atuam de forma diferente conforme se trate de uma relação de tipo habitual ou esporádica. Neste caso, é evidente que os fatores ambientais influirão com maior peso, enquanto que num par estável, terá maior significado o nível de diálogo íntimo que tenham estabelecido.

Como vimos todos estes aspectos são importantes no jogo sensual e sexual, porém não podemos esquecer que o ingrediente mais importante é o amor, pois este toca no órgão mais importante em qualquer relacionamento: O Coração.

Dr. Celso Marzano

Urologista, Sexólogo e Terapeuta Sexual

Comments