Blog

Como controlar a ejaculação precoce e demorar para gozar

postado em 7 de out de 2018 12:01 por Daniel Antunes Paiva

Ejaculação precoce, um problema comum

Estima-se que cerca de 70% dos homens do mundo tem ou terão ejaculação precoce em algum momento da vida, isso interfere diretamente na autoestima do indivíduo, que pode se sentir inferiorizado devido à incapacidade de prolongar a ejaculação, e consequentemente proporcionar prazer à parceira.

Causas da ejaculação precoce

A ejaculação precoce pode se originar a partir dos mais variados motivos. Alguns homens apresentam ejaculação precoce devido a razões emocionais, outros devido a disfunções.

Os mais jovens podem ser acometidos pelo problema por serem inexperientes e estarem afoitos com relação ao sexo. Já os mais velhos, devido a problemas no trabalho, transtornos psicológicos, perda de um ente querido etc.

Como acabar com a ejaculação precoce

A seguir, quatro técnicas que ajudam a controlar a ejaculação.

1) Controle a respiração

A primeira técnica consiste em diminuir o ritmo da respiração. Quanto mais rápido o homem respira, mais rapidamente ele tende a chegar ao orgasmo. Da mesma forma, quanto mais lenta a respiração, mais fácil tende a ser controlar o orgasmo.

2) Treine o controle sobre o orgasmo

Ao se masturbar e sentir que está quase ejaculando, o homem deve suspender a masturbação imediatamente e aguardar o pênis perder a ereção para então retomar a masturbação.

Não há problema se, logo diante da primeira tentativa, a ejaculação ocorrer antes do previsto. Trata-se de um exercício de autoconhecimento para que o homem se ligue nas sensações corporais, e não se preocupe apenas em chegar ao orgasmo.

Por meio de uma técnica de tantra, é possível atingir o orgasmo sem ejacular, assim, o homem não perde a ereção e pode ter vários orgasmos.

3) Masturbe-se antes do sexo

Algumas pessoas estranham a ideia de se masturbar antes da relação sexual, mas isso pode ser interessante para alguns já que a segunda ejaculação geralmente demora mais tempo para ocorrer. Se o indivíduo conseguir obter uma segunda ereção, essa técnica é interessante.

O homem pode realizar essa masturbação prévia sozinho ou com o auxílio de sua parceira, que já estará mais perto do orgasmo quando for penetrada, enquanto o homem já estará na segunda ejaculação.

4) Experimente a posição "conchinha"

Na posição "conchinha" o homem e mulher ficam deitados de lado, impedindo que a penetração seja completa. Além de facilitar o controle sobre a ejaculação, essa posição não permite a realização de muitos movimentos. Quanto mais relaxado estiver o indivíduo, mais fácil será controlar a ejaculação, e a concentração passa a estar voltada apenas às sensações corporais e de prazer.

Ejaculação precoce e soja

Se o indivíduo tiver ejaculação precoce, deve reduzir a ingestão de derivados de soja, como leite de soja, carne de soja etc. Porém, ainda não há certeza de que essa diminuição ameniza o problema. 

É possível aumentar o pênis?

postado em 7 de out de 2018 09:57 por Daniel Antunes Paiva   [ 7 de out de 2018 10:05 atualizado‎(s)‎ ]

Você gostaria de ter um pênis maior?

Muitos homens desejam aumentar o pênis, e evidentemente, o interesse é ainda maior entre aqueles que têm genitais pequenos, e inclusive, podem apresentar problemas psicológicos devido a isso, afetando seus relacionamentos pessoais e profissionais.

A cirurgia para o aumento do pênis pode adicionar até 5 cm de comprimento. Trata-se de um valor significativo, ainda mais levando em consideração que um pênis de tamanho normal apresenta cerca de 12 cm de comprimento.

De fato, os tamanhos penianos variam conforme as raças. Os japoneses (não os mestiços) geralmente têm uma genitália menor que a média mundial, ao contrário dos negros. Porém, evidentemente, há exceções.

A faixa etária dos pacientes que buscam aumentar o tamanho do pênis oscila entre 20 a 40 anos. Isso se explica pelo fato desse intervalo representar a época de maturidade sexual do indivíduo.

Entre os homens há a ideia de que um pênis mais comprido ou espesso preenche melhor a vagina da mulher. Esse raciocínio tem lógica, contudo, um pênis de cerca de 4 cm já é o suficiente para levar ao mulher ao orgasmo. 

Cirurgia de aumento peniano

Em casos de pacientes que possuem o chamado micropênis, o comprimento pode chegar a apenas 2 cm, atingir 7 cm após a cirurgia, e com a introdução de uma prótese alcançar até 10 cm.

Normalmente, os convênios médicos não cobrem a cirurgia de aumento peniano, exceto se devido a uma má formação congênita o paciente tiver um micropênis.

Como é o procedimento cirúrgico

Há três incisões. Inicialmente, o cirurgião realiza um pequeno retalho em forma de triângulo na região do púbis, e em seguida o rebaixa, fazendo com que passe a integrar o pênis. O ligamento suspensório é rompido e a prega peno-escrotal, que tem a função de segurar o pênis, é cortada, para que assim o genital fique ainda mais estendido. A cirurgia é feita com anestesia peridural ou local de sedação, e não é necessário internação.

Riscos

A parte funcional do pênis não é manipulada. Isso significa que o procedimento não prejudica a ereção e nem a libido.

Pós-operatório

O pós-operatório não é doloroso, pois são usados antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos. As relações sexuais são liberadas em cerca de 60 dias após a cirurgia, e o retorno as atividades laborais pode ocorrer após 7 dias.

Resultados

Depois da cirurgia, é como se o paciente reiniciasse sua vida sexual. O indivíduo costuma a passar por uma reformulação mental. No início, é até salutar frear a impulsividade sexual do paciente.

Outros procedimentos

Prótese para aumento peniano

A prótese expansora é constituída por silicone, possui a forma de "L" e é introduzida entre o ligamento rompido na cirurgia e o púbis. Com isso, é possível obter mais 2 ou 3 cm de comprimento. Todavia, a colocação desse tipo de prótese não é usual. O mais comum é realizar apenas a cirurgia.

Técnica para engrossar o pênis

O procedimento é simples, realizado com anestesia local na base do pênis, não requer internação e consiste na introdução de colágeno, material que não é absorvido pelo corpo, portanto, os resultados são permanentes e podem até dobrar a espessura peniana.

Substâncias injetáveis para engrossar o pênis e prolongar a ereção

Existem algumas substâncias, como a prostaglandina e a papaverina, que quando injetadas no pênis o deixam mais grosso e rígido durante horas, porém, em longo prazo poderão causar fibrose no pênis e assim levar a problemas de ereção. Geralmente, atores pornográficos utilizam esse tipo de produto.

Pomada para engrossar e enrijecer o pênis

Desenvolvida recentemente, há uma pomada que, se usada antes do ato sexual, deixa o pênis mais grosso, comprido e rígido. O efeito do composto dura cerca de uma hora, tempo suficiente para a atividade sexual. Depois desse período, o pênis volta ao normal.

Essa pomada é feita à base de uma substância chamada verapamil, que dilata os vasos e amplia a quantidade de sangue deslocada ao pênis, e devido a isso ela também é usada no tratamento de problemas circulatórios.

Bomba peniana e tensores

A bomba peniana e os tensores são pouco eficazes para o aumento peniano. Todavia, não se pode afirmar que esses aparelhos geram risco de romper algum ligamento. De maneira geral, nenhum dos aparelhos anunciados na internet funcionam.

Exercícios de alongamento do pênis

Existem alguns exercícios de masturbação que prometem alongar o pênis, porém, de acordo com muitos urologistas, tais métodos são ineficazes.

DSTs podem causar queda de cabelo?

postado em 7 de out de 2018 09:50 por Daniel Antunes Paiva   [ 7 de out de 2018 09:53 atualizado‎(s)‎ ]

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) também podem causar queda de cabelo.

A sífilis, uma doença muito comum, cuja incidência vem aumentando, pode fazer com o que cabelo fique mais ralo. Na sífilis primária, quando irrompe o cancro, pode haver queda de cabelo, mas isso é mais comum (em torno de 7% de incidência) nos casos de sífilis secundária, em que há um tempo mais latente entre a contaminação e o aparecimento dos sintomas.

A queda de cabelo mediada pela sífilis é difusa, menos intensa e não em blocos como na alopecia areata.

Se você tem DST e está com perda capilar, é importante consultar um médico, o tratamento com penicilina resolve a queda de cabelo (que tende a não deixar falhas no couro cabeludo).

Por levar a um misto de deficiências tanto imunológicas quanto de absorção, como de zinco, a AIDS também pode ocasionar queda de cabelo. Até exames de sorologia podem ser relevantes para descobrir o fator causal da queda de cabelo.

Bomba peniana aumenta o tamanho do pênis?

postado em 13 de ago de 2016 18:35 por Daniel Antunes Paiva   [ 7 de out de 2018 10:07 atualizado‎(s)‎ ]

Bomba peniana funciona ou não?

De maneira geral, pode-se dizer que a bomba peniana funciona, apesar de haverem muitas pessoas dizendo o contrário. Na verdade, esses indivíduos fazem afirmações sem terem qualquer conhecimento científico sobre o tema. Evidentemente é preciso ter um grau de conhecimento mais aprofundado para opinar sobre qualquer tema, somente assim será possível fazer afirmações que contenham embasamentos mais sólidos.

O nível de satisfação de usuários da bomba peniana chega a 80%, ou seja, a cada 100 pessoas, em média 80 conseguem aferir bons resultados após utilizarem o produto de maneira adequada. Trata-se de uma porcentagem bastante significativa.

Resultados

Os melhores benefícios do uso da bomba peniana se relacionam ao aumento da espessura do pênis, o que é excelente, já que a grossura está na frente do comprimento quanto se trata de satisfazer sexualmente o sexo oposto, pois biologicamente a mulher só sente prazer nos primeiros 3 ou 4 cm da vagina.

Porém, o produto não é milagroso, propagandas que prometem ganhos de 7 cm a 10 cm de comprimento peniano são pura balela. Ademais, é preciso seguir corretamente as instruções do manual do produto, dessa forma, além de ter bons resultados, diminui-se a probabilidade de ocorrência de lesões penianas, como o rompimento de vasos sanguíneos. Por fim, é muito importante optar por produtos de boa procedência, que ofereçam maior segurança.

Efeitos colaterais

Ao fazer uso da bomba, é salutar respeitar os limites de seu próprio corpo, já que podem aparecer problemas decorrentes do mau uso do aparelho, dessa forma, ele deve ser usado conforme as instruções contidas no manual. Alguns dos efeitos colaterais mais comuns são: sensação de pênis dormente, hematomas, cores azuladas ou arroxeadas no pênis, porém, todos melhoram com o tempo sem que seja necessário qualquer tipo de intervenção.

Bomba peniana: como usar

O funcionamento do produto é muito simples:

1) Para um uso mais confortável, recomenda-se passar lubrificante no anel emborrachado que compõem o kit do produto, para assim haver uma maior vedação e maior conforto na introdução do pênis. 

2) Em seguida, deve-se colocar o pênis no interior do cilindro, que é um tubo de acrílico, com vedação de borracha na extremidade.

3) O cilindro é ligado por uma mangueira à uma bomba manual ou elétrica, que suga o ar de seu interior, formando assim vácuo no interior do tubo, o que irá expandir o tecido peniano.

Saiba mais em: http://comoaumentaropenis.net.br/bomba-peniana/

Disfunção Erétil: Início e Como Evitar

postado em 21 de jul de 2016 07:55 por Daniel Antunes Paiva   [ 7 de out de 2018 11:54 atualizado‎(s)‎ ]

Início da disfunção erétil

A disfunção erétil ocorre quando o indivíduo começa a apresentar alterações frequentes na ereção, tendo dificuldades em ter ou manter a ereção. O cansaço, a preocupação e o estresse podem levar o homem a apresentar falhas de ereção esporádicas, o que em grande parte dos casos é natural e não configura a disfunção erétil, que somente deve passar a ser considerada se essas falhas se tornarem repetitivas.

Não existe um critério que classifique a disfunção erétil a partir da quantidade de falhas de ereção. Assim, à medida que incomode o homem, o problema pode se tornar relevante o suficiente para demandar tratamento.

Ansiedade dificulta a ereção

A partir do momento em que o paciente começa a apresentar disfunção erétil, o problema só tende a piorar. Afinal, a situação gera ansiedade, o que dificulta ainda mais a obtenção das ereções. Com isso, tem-se um ciclo vicioso e o paciente passa a apresentar falhas de ereção com maior frequência. Nesse contexto, os remédios que estimulam a ereção são utilizados com o intuito de fornecer mais segurança ao indivíduo.

Como evitar a disfunção erétil

Para prevenir a disfunção erétil é necessário cultivar bons hábitos de vida. Assim, o indivíduo deve ter uma alimentação balanceada, horas de sono adequadas a ele e, na medida do possível, evitar o estresse e o exagero quanto ao consumo de bebidas alcoólicas, além de não usar drogas e não fumar.

Influência dos alimentos sobre a ereção

Fala-se muito que alguns alimentos são capazes de produzir a ereção. Na verdade, não há comprovação científica sobre isso. Esses alimentos, popularmente conhecidos como favoráveis à ereção, quando muito, podem melhorar a disposição do homem, aumentando sua energia.

Perigo do álcool em excesso

Em pequenas doses, o álcool contribui para que o homem fique mais relaxado e, com isso, fique mais desinibido para o ato sexual. Entretanto, em grandes doses e usado de forma crônica, ele acaba prejudicando a ereção, pois gradativamente causa lesões nos vasos e nervos periféricos.

Disfunção Erétil: Causas Psicogênicas, Orgânicas, Diagnóstico e Tratamento

postado em 16 de jul de 2016 08:38 por Daniel Antunes Paiva   [ 7 de out de 2018 11:56 atualizado‎(s)‎ ]

Prejuízos causados pela disfunção erétil

A disfunção erétil pode interferir na vida do indivíduo como um todo, causando impactos em sua qualidade de vida, relações interpessoais e afetivas, e até mesmo em sua capacidade laboral e produtividade. Embora diversas doenças possam causar a disfunção erétil, ela, em si, não é uma delas. Logo, não convém abordar a cura da disfunção erétil, mas sim os meios de manejar o problema e revertê-lo.

Associação entre problemas emocionais e a disfunção erétil

Antigamente costumava-se dizer que a disfunção erétil era causada unicamente por problemas emocionais. Como as causas orgânicas da disfunção erétil eram ainda desconhecidas, o culpado apontado era ou o estresse ou aspectos da relação do paciente com seu conjugue.

Evidentemente, todos os pacientes que apresentam disfunção erétil possuem uma parte emocional atrelada ao problema, porém, atualmente, com o avanço da medicina, é possível afirmar que o transtorno psicogênico é muito mais uma consequência da disfunção erétil do que propriamente sua causa.

Causas orgânicas da disfunção erétil

Existem muitos fatores de risco associados à disfunção erétil, tais como estresse, obesidade, falta de exercício físico, dieta não balanceada, aumento da pressão arterial, elevação da taxa de colesterol, aumento da glicemia (índice de glicose), tabagismo, consumo desregrado de álcool, drogas e medicamentos. Todos esses fatores podem acarretar um desequilíbrio orgânico e, consequentemente, levar à disfunção erétil. Logo, este problema é muito mais orgânico do que psicológico, porém, fatores emocionais também podem acabar interferindo e acabam agravando o problema.

Disfunção erétil causada por disfunção hormonal

É preciso diferenciar o paciente que apresenta alteração do desejo sexual daquele que possui a disfunção erétil propriamente dita. Pacientes com disfunção hormonal normalmente exibem uma diminuição da libido e outros sintomas como cansaço excessivo e alteração do sono. Estes pacientes costumam ter uma disfunção erétil decorrente da diminuição de seus níveis de testosterona.

No caso dos indivíduos que apresentem baixas dosagens de testosterona, é possível efetuar reposição hormonal. Embora o procedimento não ajude a melhorar sobremaneira a ereção, poderá aumentar consideravelmente o desejo sexual.

Como diagnosticar a disfunção erétil

O especialista em disfunções sexuais masculinas deve buscar descobrir qual é a causa orgânica do problema, para assim conseguir efetuar um tratamento adequado. Nesse contexto, há uma série de exames, como os de imagem (ultrassom, por exemplo) e de dosagens hormonais, que podem ser feitos para se obter um diagnóstico preciso.

Como tratar a disfunção erétil

Existem tratamentos feitos por via oral, injetáveis, e por aplicações intracavernosas. Também há cirurgias e, por fim, as famosas próteses penianas. Portanto, há uma extensa gama de tratamentos. Resta investigar qual deles é o mais adequado para cada paciente.

Evolução do tratamento da disfunção erétil

Os vasodilatadores sistêmicos proporcionaram uma grande evolução positiva no tratamento da disfunção erétil. Quando o Viagra surgiu, ele foi amplamente empregado. Posteriormente, foram lançados os chamados "primos" do Viagra. Hoje, já é possível adquirir esses medicamentos até mesmo em suas versões genéricas.

Embora seja impossível regressar o quadro e deixar o paciente com 18 anos de idade novamente, o objetivo dos tratamentos é fazer com que o homem tenha uma boa qualidade de vida e vá para uma relação sexual realmente confiante, ciente de que conseguirá satisfazer a parceira e apresentar um bom desempenho sexual.

Saiba tudo sobre a disfunção erétil acessando: http://disfuncaoeretil.net.br

1-6 of 6